Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que integram o nosso povo. Este é o Sinal de Cultura. Bem vindo! Bem vinda!

Foto: Reprodução

João Silva Franco, o poeta sapateiro, completaria 100 anos nesse 20 de junho. Cidadão adotivo de Laranjeiras (SE), teve sua vida marcada pelo sobrenome postiço da profissão que o tornou conhecido da comunidade ao longo dos anos. Sempre com uma boa conversa, observava as vivências e os costumes da população, transcrevendo-os em folhas de papel pautado, sempre em letras de forma, fixadas nas paredes da sua oficina. Poemas que surpreendiam a freguesia e, pouco a pouco, fizeram o simpático sapateiro de “mão cheia” ser reconhecido como João, o Poeta Sapateiro.

Uma curiosidade é que João nasceu em Riachuelo (SE) e não em Laranjeiras, como muitas pessoas imaginam. Acontece que em busca de melhores condições de vida, sua família mudou-se para a capital em 1938, transferindo-se anos depois para Laranjeiras, onde o poeta sapateiro permaneceu por setenta anos. Interessante refletir como entre as tantas identidades que expressam a cultura sergipana, pouco ou, muitas vezes, nada referencia esse brilhante poeta, que conseguiu produzir tantas poesias em meio à correria da sua vida modesta. Sabemos que muitos dos nossos principais registros históricos são elitistas e embranquecidos pelos livros de História, o que por vezes, invisibiliza nomes importantes da nossa cultura, sobretudo, a popular.

Foto: Escultura João Sapateiro, por Mestre Demar/Reprodução Joselitto Franco Koka

Embora não tenha figurado entre os nomes famosos da literatura como Silvio Romero, Tobias Barreto e Hermes Fontes, por conta do contexto social em que vivia, a sua poesia é, sem dúvida, uma das nossas identidades sergipanas. A força das suas rimas traduzem a manifestação do povo através dos olhos de quem vivenciava de perto as realidades menos abastadas da sua época, traduzindo-as em arte. Tendo nos deixado em 2008, sua obra permanece viva e sempre é necessário evidenciar isso, para que nomes como o de João tenham, mais do que visibilidade, o merecido reconhecimento por sua contribuição para a construção da nossa sergipanidade. Abaixo um trecho da sua poesia Cântico aos Laranjeirenses:

“O teu passado eu bendigo,

E adoro o “Bom gosto” amigo,

Aonde vou me banhar;

Adoro a meiga corrente

Que canta canção dolente

Andando em busca do mar.

Adoro a tua Matriz,

Aonde a velhinha feliz

Vai rezar o seu rosário;

Amo o teu belo Cruzeiro

Que lá no cimo do outeiro

Nos lembra o Monte Calvário”

Rapidinhas

– Nos dias 20 e 21/06, a Funcaju realiza o XV Fórum do Forró, no Centro Cultural de Aracaju, na Pç. General Valadão (Aracaju).

– Em Aracaju, a festa continua na Rua São João, sempre a partir das 19h30

– O Forró Caju, como já informado aqui, começa primeiro na Pç. General Valadão. A partir do dia 20, sempre às 16h, artistas sergipanos darão o tom da festa, com muito forró e sergipanidade. Confira programação nas redes sociais da Prefeitura Municipal de Aracaju.

– No Arraiá do Povo, na orla de Atalaia, também tem show no coreto montado dentro da estrutura da festa. Confira programação nas redes sociais da Secult.


Por enquanto, é isso. Me siga no instagram: eiarturfarias

Email: [email protected] ou [email protected]

 

Comentários

Carregar mais Artigos relacionados
  • O Samba de Pareia da Mussuca

    Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que integram o nosso povo. …
  • A Festa do Mastro em Capela

    Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que integram o nosso povo. …
  • A magia das quadrilhas juninas

    Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que integram o nosso povo. …
  • Sergival e a festança do sertão

    Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que integram o nosso povo. …
  • Minho San Liver, a música e a matemática

    Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que nos rodeiam e integram …
  • Olá! Este é o Sinal de Cultura, por Artur Farias

    Por aqui, toda semana, visibilidade para as tantas identidades que nos rodeiam, dão voz às…
Carregar mais por Artur Farias
Carregar mais em Sinal de Cultura
Os comentários estão fechados.