Por André Rodrigues

 

O cinema é uma arte multifacetária, os filmes são produtos que atingem todas as camadas da sociedade, sua variedade de temas, abordagens, didáticas e objetivos sempre fez com que a sétima arte esteja sempre em mutação, sempre refletindo a sociedade a que está inserida. Infelizmente, por mais abrangente que seja, o cinema não é universal, comprar ingressos é caro, isso quando existe alguma sala de cinema na cidade, ou se apela para a pirataria, ou simplesmente não se consome.

Para isso existem projetos que tem o principal objetivo de levar quem não pode, para ter a experiência imersiva que é estar numa sala com tela gigante, e um dos que vem se destacando nos últimos anos é o Cine Olé Consignado. O projeto é patrocinado pelo grupo Santander e esse ano vai passar por 22 cidades do norte e nordeste, já passando por Bahia, Pernambuco e Paraíba por exemplo.

A “sala de cinema” está dentro de um caminhão e possui em torno de 77 lugares disponíveis, com entradas inteiramente gratuitas. O foco do projeto são as crianças, já que os filmes exibidos são direcionados a esse público, como Mulher Maravilha e Moana.

Para se ter noção da importância que é ter mais projetos como esse, basta nos imaginarmos, todos temos pelo menos um filme marcante, seja pela mensagem, seja pelo momento que representa, e imaginar que várias crianças que não teriam a oportunidade, agora podem ser maravilhadas por uma animação emocionante, por uma heroína que mostra que todos e todas podem ser o que quiser, o impacto que isso pode provocar é enorme.

Não se engane, isso não é um anúncio, acontece que, quando alguém tem a iniciativa de propagar o cinema em cidades do interior do Norte e Nordeste, acredito que seja necessária uma divulgação gigante, tanto para quem mora perto das cidades contempladas, aproveitar e ir assistir e se impressionar pela primeira, de muitas vezes com o cinema, tanto para enaltecer os profissionais que estão fazendo isso acontecer.

Comentários

Carregar mais Artigos relacionados
Carregar mais por André Rodrigues
Carregar mais em Crítica Arretada
Os comentários estão fechados.