Há 24 anos, um trágico acidente tirava a vida dos Mamonas Assassinas

Autoproclamados como uma banda do gênero “sonrisal”, os Mamonas Assassinas realizavam seu último show no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Coincidentemente, o show era o último da turnê; os rapazes retornariam a Guarulhos, cidade onde se juntaram, e pousariam no aeroporto, em Cumbica, São Paulo. Com o fim da turnê, iniciariam os preparativos para o segundo disco, em Portugal.

No entanto, o avião Learjet PT-LSD, que já apresentava erros durante o último mês de uso conforme documentado pela equipe do MTV na Estrada, que acompanhou a banda em alguns dias da turnê, tinha um piloto com apenas 170 horas de voo naquele modelo de aeronave. O recomendado seria 500 horas.

Graças a um erro de aproximação, a primeira tentativa de pouso na pista do aeroporto foi um total fracasso, obrigando o mesmo a retomar o voo e realizar um contorno. Afirmando ter condições visuais, o piloto solicitou o contorno à esquerda, que foi aceito erroneamente pela torre de comando.

O erro resultou em uma virada direcionada a Serra da Cantareira, em alta velocidade e com a visão prejudicada, levando o avião a colidir com a montanha. Todos os 9 tripulantes, incluindo Dinho, Bento, Júlio, Sérgio e Samuel, membros do Mamonas, faleceram imediatamente. Pela chuva e condições do local, o resgate dos corpos só pode ser concluído na manhã do dia seguinte.