Descaso da PMA causa achatamento salarial do magistério

Ato faz parte das atividades da 20ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação Pública.


Na manhã de ontem (24.abril.2019), a categoria municipal do magistério paralisou as atividades para protestar em frente à Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) contra os três anos do não pagamento do piso salarial.

Há três anos a categoria segue na luta para receber um direito que já é adquirido por lei federal. São três anos de descaso e desrespeito aos profissionais da educação. E hoje, durante o ato, representantes da direção do SINDIPEMA se reuniram mais uma vez com o secretário da SEPLOG, Augusto Fábio Oliveira, e a secretária da SEMED, Maria Cecília Leite.

Na ocasião, o SINDIPEMA reivindicou o reajuste do piso salarial que é um direito e deve ser pago. O secretariado insistiu no discurso maçante de que a administração não tem condições financeiras de cumprir com o seu dever de pagar o piso. E afirmou ainda que não há previsão para o reajuste. E se caso houver, pode ser abaixo do que é de direito. Ou seja, o nosso ganho real será cada vez mais deficitário, configurando uma política de achatamento salarial.

O secretariado se comprometeu a repassar para o prefeito, a nossa principal reivindicação no dia de hoje, que é o pagamento do piso salarial e, posteriormente, entrará em contato com o sindicato.

O SINDIPEMA sempre procurou a atual administração para dialogar sobre o reajuste do piso salarial, porém o prefeito, Edvaldo Nogueira, se nega a receber o sindicato, terceirizando as reuniões de negociação, onde apenas o secretariado participa. Repudiamos tal ação, uma vez que o gestor é o prefeito e julgamos essencial dialogar pessoalmente com ele, que tem se escondido em seu gabinete e/ou atrás das câmeras em suas lives. É preciso que a PMA deixe de lado os argumentos repetitivos e encontre alternativas concretas para cumprir o pagamento do piso, isto deve fazer parte de uma gestão que se diz humana, inteligente e criativa.

(com informações do SINDIPEMA)