SINPOL Sergipe estimula filiados a ajuizarem ações contra profissionais da Imprensa

(*) Por Antonio Moraes

Notícias sobre a fatídica assembleia sindical havida na noite de 14/5, terça-feira, no auditório da ACADEPOL, em que, sem qualquer justificativa, a direção sindical pretendia autorização (o que não conseguiu) da categoria para vender terrenos de propriedade do sindicato.

O diretor jurídico da entidade sindical, escrivão Ênio Nascimento, por cerca de 30 minutos, tentou estimular os policiais civis filiados a ajuizarem ações, em todos os municípios de Sergipe, contra qualquer profissional de imprensa que falasse algo que de alguma forma atingisse uma tal “honra da categoria”.

O sindicalista sugeriu que o primeiro alvo dessa perseguição fosse o respeitado chargista do jornal do Dia, Edidelson. Ênio disse que seria o primeiro a ajuizar a ação.

Os policiais civis presentes deram um sonoro NÃO às intenções arbitrárias da diretoria. A diretoria passou vergonha. Deprimente.

Edidelson sempre faz charges, por vezes ácidas, mas sempre jornalísticas, sobre diversos fatos que são notícia em nosso Estado. É uma referência nacional.

A atual diretoria, pelega, incompetente e submissa às ordens dos chefinhos e dos padrinhos políticos, é covarde na hora de lutar pela correção da tabela de subsídios da categoria, e, pelas defesas individuais das prerrogativas dos policiais civis junto à instituição. Quer agora se mostrar viril contra a liberdade de imprensa e de manifestação do pensamento.

Há algum tempo que o SINPOL SERGIPE perdeu protagonismo nas lutas de classe em nosso estado e em nível nacional. Agora, quer se jogar por terra, nossa tradição democrática de respeito às opiniões e aos pensamento diversos.

Mente vazia, morada do diabo. Vá de retro satanás!


Antonio Moraes é servidor policial civil ocupante do cargo de escrivão de polícia civil de 1ª classe, lotado na DETUR e ex-presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe.