Renan Calheiros é o candidato do MDB para presidente do Senado

Reprodução/Google

O MDB escolheu o senador Renan Calheiros (AL) como candidato do partido na eleição para a presidência da Casa, a ser realizada na 6ª feira (1º.fev.2019). O alagoano derrotou Simone Tebet (MS) –que não lançará candidatura avulsa– por 7 votos a 5.

A sigla tomou a decisão em reunião na tarde desta 5ª. No encontro, a legenda definiu seu líder na Casa para a legislatura: Eduardo Braga (AM).

Votaram em Renan: o próprio, José Maranhão (PB), Marcelo Castro (PI), Eduardo Braga (AM), Jader Barbalho (PA), Fernando Bezerra (PE) e Eduardo Gomes (TO).

Votaram em Simone: a própria, Márcio Bittar (AC), Dário Berger (SC), Confúcio Moura (RO) e Luiz do Carmo (GO).

Jarbas Vasconcelos (PE) não participou do encontro da bancada.

Derrotada, Simone Tebet disse: “Eu não sou candidata de mim mesma. Todos os partido tem candidatos. A minha candidatura avulsa só complicaria o processo pra qualquer lado. Então neste momento, de hoje pra amanhã muita coisa pode acontecer, mas neste momento não há espaço para minha candidatura, porque não tem 1 partido que vem a apoiar”.


ELEIÇÃO TERÁ AO MENOS 9 CANDIDATOS

A eleição contará com pelo menos 9 postulantes ao cargo. Favorito a eleição, Renan Calheiros (MDB-AL) vê seus adversários se unirem contra sua vitória.

Sete dos candidatos que se opõem ao alagoano devem atuar em conjunto para postergar a decisão para o 2º turno. São eles: Davi Alcolumbre (DEM-AP), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Álvaro Dias (Pode-PR), Esperidião Amin (PP-SC), Major Olímpio (PSL-SP), Angelo Coronel (PSD-BA) e Reguffe (sem partido-DF).

Fernando Collor (Pros-AL) é o outro candidato.

O grupo dos 7 reuniu-se nesta 5ª no gabinete da senadora eleita Soraya Thronick (PSL-MS). O grupo planeja pautar a decisão da 1ª questão de ordem para que a eleição seja por voto aberto e tenha 2 turnos.

De acordo com o regimento, o começo da sessão será presidido por Alcolumbre –único remanescente da atual Mesa Diretora da Casa. Mas o demista pode ser substituído por José Maranhão, o mais idoso da Casa.