O partido dos 3 e o manto da verdade

O PDT tem uma história de lutas digna de filme, conseguiu destaque na política nacional, levando seu fundador e líder maior, Leonel Brizola ao governo do Rio de Janeiro por duas vezes, homem íntegro e acima de tudo comprometido com a Educação, juntamente com seu amigo e fiel escudeiro, Darcy Ribeiro, onde juntos implantaram os CIEPs (Centros Integrados de Educação Pública). Mantém até hoje nomes intocáveis e que continuam a história do partido, como é o caso do Manoel Dias, mais conhecido como Maneca, esse que para os tempos de hoje é o Brizola do século XXI, e leva consigo ensinamentos e pensamentos de um verdadeiro brizolista, daqueles que não enjoa de escutar.

Em Sergipe a situação é o oposto do que vimos em outros estados, o PDT aqui no estado virou o “Partido dos 3”, dos três que hoje são parentes de primeiro grau do atual presidente do partido, Fábio Henrique, que mutuamente sustenta as eleições da sua esposa, a deputada Silvia Fontes, do vice-prefeito de São Cristóvão, Adilson Junior e do mais recente vereador de Aracaju, Jason Neto, os dois últimos irmãos. Pois bem, tudo isso para alguns setores da mídia passam despercebidos, ou tem medo de tocar no assunto. Mas, é necessário fazer uma análise sobre essa situação, que acaba manchando a imagem do ninho pedetista no estado. Refletimos: O partido já passou pelas mãos de Almeida Lima, Jackson Barreto, Ulices Andrade e de um tempo para cá está nas mãos da Família Carvalho, a mesma família que já fez Fábio vereador de Aracaju e prefeito de Nossa Senhora do Socorro, e que mantém até hoje a influência que só rodeia os três (Silvia Fontes, Adilson Junior, Jason Neto) e Fábio Henrique, o líder do grupo e do partido.

A verdade é que Fábio Henrique sonha há muitos anos ser governador de Sergipe, mas, para que isso aconteça ele precisa passar pelo caminho árduo e humilhante de ser vice, para depois galgar o mais alto posto político do estado. Como se não bastasse FH, os três e seu partido, PDT, estão há alguns anos aliados a Jackson, Belivaldo e o arco de partidos que o cercam. Se mantendo aquele fiel aliado, demostrado diariamente pela sua esposa Silvia, hoje deputada, que nunca se negou a votar contra projetos do governo, até mesmo se fosse para prejudicar os servidores púbicos ou a população. Mas, agora parece que o líder dos três, recebeu ultimato da Nacional, que de certa forma obriga que a legenda em Sergipe tenha pré-candidato a deputado federal, mesmo que não ganhe, fazendo com que os votos do cidadão (a), possa somar para o partido, na hora de partir o bolo em Brasília.

O que muitos não sabem ou que pensam que é irreal é a aliança já formada dando conta da ida de Fábio, seus três e seu partido para o bloco da oposição. Vamos as perguntas: Como manter dois opositores em um mesmo palanque, (falo do padre Inaldo e de Fábio Henrique)? As vaias que a deputada Silvia tomou dias atrás, não demonstram um motivo para Fábio pular de barco? As solicitações de espaços no governo, como é o caso da DESO e da COHIDRO, não seria mais um motivo para que o governador diga não ao ex-prefeito? O que existe de fato é uma queda de braço entre o governo e FH, para saber quem sairá perdendo na disputa, fazendo com que a população veja um dos lados como traidores. Será Belivaldo ou será FH? Saberemos nas próximas semanas.